Imunodeficiência primária (IDP): sintomas, diagnóstico e tratamento

A imunodeficiência primária (IDP) é composta por uma série de alterações em estruturas do sistema imunológico – aquele que defende nosso corpo de invasores externos – que deixam a pessoa suscetível a várias doenças: algumas leves, outras mais graves.

Tais alterações são genéticas e congênitas, ou seja, já nascem com o indivíduo e foram herdadas dos pais. Em todo mundo, foram listadas cerca de 400 disfunções genéticas relacionadas à imunodeficiência primária e as mais comuns estão relacionadas a falhas na produção de anticorpos.

Na prática, desde os primeiros meses de vida, a pessoa com IDP começa a sofrer constantes infecções provocadas por bactérias, como sinusite, otite (inflamação do ouvido), pneumonia, entre outros. É o sinal de que o sistema imunológico pode estar com problemas.

Sintomas

Em boa parte dos indivíduos acometidos pela imunodeficiência primária, os sintomas aparecem logo na infância. Porém, há casos em que eles se revelam mais tarde, dependendo do transtorno genético.

A maior parte dos sintomas está relacionada a problemas no sistema respiratório. Por isso, podem ser confundidos com doenças respiratórias típicas das crianças. É a frequência desses problemas que deve despertar o sinal de alerta nos pais.

A repetição de outras patologias também requer atenção, tais como o aparecimento de abcessos na pele, complicações de vacinas, atraso no desenvolvimento, além de constantes otites, pneumonias e a necessidade de antibióticos.

Outro ponto: criança em cuja família há histórico de IDP ou filha de casal consanguíneo (quando há união de parentes próximos) está mais suscetível à imunodeficiência primária.

Diagnóstico

A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI) afirma que de 70% a 90% dos pacientes que provavelmente possuem IDP ainda não foram diagnosticados.

Para se chegar ao diagnóstico, são necessários exames de sangue e testes genéticos específicos a fim de se descobrir qual das centenas de problemas genéticos está relacionada à imunodeficiência primária.

Um desses testes é a medição de imunoglobulinas e de suas subclasses. O reagente para detectá-las – ou, em termos técnicos, o que faz a quantificação de imunoglobulinas séricas – é um dos produtos oferecidos pela Binding Site. Ele ainda é a base para outros testes investigativos, como o de subclasse de imunoglobulinas ou de resposta vacinal.

Quanto antes se chegar ao diagnóstico, melhor. Assim, é possível dar início ao tratamento desde a primeira infância, controlando os sintomas e complicações mais sérias.

Tratamento

O tratamento varia de acordo com os sintomas, de quando a IDP foi descoberta e de qual a gravidade do problema em nível genético.

Quando os sintomas são leves e o diagnóstico é precoce, aplica-se a chamada terapia com imunoglobulinas, com a administração dos anticorpos que estão em falta no organismo, melhorando toda atividade do sistema imunológico.

Já imunodeficiências primárias mais graves – seja por diagnóstico tardio ou por problemas genéticos que comprometem demais a imunidade – necessitam que um transplante de medula óssea seja realizado.

A Binding Site também defende a abordagem integrativa da medicina, desde a análise dos primeiros sintomas até as etapas de tratamento. Isso porque nem sempre é simples detectar a IDP, facilmente confundida com um problema superficial. Enxergar o paciente como um indivíduo complexo e completo ajuda no tratamento mais adequado a cada pessoa.

Aqui em nosso blog você encontra outros materiais que abordam a imunodeficiência primária. Conheça, compartilhe e entre em contato!