Teste para monitoramento do Mieloma Múltiplo é disponibilizado no Brasil

O Hevylite®, teste laboratorial realizado no sangue para medição de imunoglobulinas intactas, passa a ser oferecido no Brasil. A quantificação do isotipo de cadeia pesada + leve das imunoglobulinas no soro, viabilizada por esse exame, é um importante avanço para o monitoramento do Mieloma Múltiplo (MM). 

Produzido pela Binding Site, o exame será oferecido de forma pioneira pelo Hospital Israelita Albert Einstein, que também foi o primeiro a disponibilizar o Freelite®, um teste para quantificação de cadeias leves livres kappa/lambda, certificado pela FDA (Food and Drug Administration) para diagnóstico e monitoramento do MM. Pacientes e médicos já podem comemorar a boa notícia.

“O que me chamou a atenção foi a possibilidade de um acompanhamento da evolução da doença e da resposta ao tratamento de forma mais precisa. A capacidade de melhorar o acompanhamento do paciente nos deixou muito empenhados”, afirmou a Drª Eliane Rosseto Welter, médica responsável pelo Laboratório Clínico – Imunosorologia do Einstein. 

Quando utilizado em conjunto com os exames do painel para Mieloma, o Hevylite® oferece uma série de benefícios no monitoramento de pacientes com Gamopatias Monoclonais. 

“O teste revela a fração de imunoglobulina doente, o que torna possível calcular melhor a resposta ao tratamento que o paciente está realizando. A dosagem quantitativa do Hevylite traz uma segurança maior de que o tratamento está no caminho certo”, observou Eliane. 

Bom para os médicos, que terão um poderoso auxílio para propor um tratamento mais bem direcionado, conforme os resultados do exame, e ótimo para os pacientes, que terão maior probabilidade de melhorar a qualidade de vida com um monitoramento mais eficaz da doença.

Importância do Monitoramento do Mieloma Múltiplo

O Hevylite®, já descrito nas diretrizes internacionais, também fornece informações inéditas e essenciais para o monitoramento do Mieloma Múltiplo. Sua fabricação em acordo com as diretrizes internacionais de MM, que apresentam uma referência de base para a quantificação do isotipo de cadeia pesada + leve das imunoglobulinas, foi um dos pontos que levaram o Einstein a ser o pioneiro na disponibilização do exame.

“O foco do Einstein é a busca de uma medicina de excelência, em que possamos dar condições para o médico exercer essa medicina de qualidade, com recursos tecnológicos como esses exames, para que ele possa ter um diagnóstico mais preciso da doença e oferecer um tratamento mais assertivo. Uma doença melhor monitorada pode ser, potencialmente, mais bem tratada”, destacou a médica, que também acompanhou a inserção do Freelite® na rotina de exames do Einstein.

“O Freelite® ainda não estava no consenso, mas as pesquisas o indicavam como um teste promissor para diagnóstico e monitoramento do MM. E, no entanto, ele se tornou um dos critérios para diagnóstico de MM, ou seja, foi uma aposta certeira do Einstein, pioneiro nessa iniciativa. O interessante na ocasião é que os médicos podiam vê-lo na literatura e também experimentá-lo na prática, com isso, aumentou muito a solicitação desse exame”, relatou Eliane.

Segundo ela, para avaliar o potencial de um teste, o Einstein sempre se baseia na literatura e nas demandas da rotina hospitalar. “No caso do Hevylite, além de considerar a literatura, a gente se baseou no gap que existe para fazer esse monitoramento. Por exemplo, até então não tínhamos um marcador capaz de quantificar a cadeia pesada doente. Então, ele é promissor porque não existe outro teste com esse tipo de marcador aliado no tratamento do paciente com MM. A eficácia do Hevylite nos animou”, comentou.

Benefícios do exame

O Hevylite® traz diversos benefícios para o monitoramento do MM:

  • Eliminação da subjetividade dos resultados e da possível dificuldade de interpretação da imunofixação e também da eletroforese;
  • Aplicação em conjunto com o Freelite® e os demais exames tradicionais, contribuindo 100% com o preconizado nas diretrizes médicas, oferecendo o melhor painel para diagnóstico e monitoramento;
  • Indicação da presença da doença residual mínima e antecipação da informação sobre possível recaída;
  • Monitoramento mais rápido e preciso de possíveis alterações clonais.

A associação do Hevylite® com o Freelite® no monitoramento dos pacientes com MM garante mais precisão e fornece informações relevantes para a conduta médica.

Para saber mais detalhes sobre o Freelite® ou o Hevylite® e conhecer os laboratórios clínicos que atualmente realizam tais exames no Brasil, clique aqui e acesse nosso site.